terça-feira, 14 de outubro de 2014

Vai começar o horário de verão!

Horário de Verão terá uma semana a mais, mas menos economia de energia


O Horário Brasileiro de Verão, que começa à zero hora do próximo domingo, vai valer por 126 dias, cinco a mais do que a média dos últimos 15 anos e uma semana a mais do que a última edição. Nos últimos 15 anos, a média de duração do horário diferencial foi de 121 dias, mas, como o término da medida não pode coincidir com o feriado de carnaval, a duração no Verão 2014/2015 será um pouco maior.

A medida deve resultar em uma economia de 2.595 megawatts (MW) até 22 de fevereiro de 2015, de acordo com estimativas do Ministério de Minas e Energia (MME). Este ano, todos os Estados das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul, incluindo o Distrito Federal, adotarão o horário diferenciado, totalizando onze unidades da Federação.

Durante os 126 dias em que o horário será aplicado, a redução de demanda na hora de ponta de carga deve ser de 1.975 MW no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e de 625 MW no subsistema Sul. No caso do subsistema SE/CO, essa redução da demanda entre as 18h e 21h equivale a quase o dobro do consumo de Brasília nesse horário, enquanto o subsistema Sul deve economizar cerca de 75% da carga de Curitiba na mesma comparação.

De acordo com o MME, nos últimos dez anos, o Horário de Verão tem possibilitado uma economia média de 4,6% no intervalo noturno de maior consumo de energia.

“Com o Horário de Verão, buscamos um melhor aproveitamento da luz do sol e, consequentemente, uma maior racionalidade no uso da eletricidade”, afirmou o secretário de energia elétrica do MME, Ildo Grüdtner. “Esperamos uma redução no consumo similar a dos anos anteriores”, completou.

Ele destacou que a economia proporcionada pelo Horário de Verão também poupa os reservatórios das usinas hidrelétricas – 0,4% no SE/CO e 1,1% no Sul – e tem efeitos positivos nas contas de luz. O secretário, admitiu, no entanto, que, apesar da duração este ano ser maior, a economia será menor que os cerca de R$ 400 milhões obtidos no último Verão porque atualmente a geração térmica é maior.

“Considerando um período hidrológico normal, estimamos uma economia de R$ 278 milhões com usinas térmicas que não precisarão ser despachadas no período. Além disso, evita-se a construção de novas térmicas a gás que demandariam investimentos de R$ 4,5 bilhões”, concluiu. (Com Agência Estado)

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...