quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Prefeitura quer que população opine sobre mudanças na Festa do Capelinhense Ausente

Nos próximos dias, a Prefeitura de Capelinha enviará para apreciação da Câmara Municipal Projeto de Lei que regulamentará a realização da Festa do Capelinhense Ausente. Há cerca de dois meses, uma Comissão composta de representantes da sociedade vem trabalhando na discussão e elaboração do Projeto de Lei. 

Agora chegou a vez do povo participar e dar sugestões. Leia a seguir a íntegra do Projeto de Lei e mande suas sugestões e críticas. A Prefeitura de Capelinha, com um pensamento democrático, abre as discussões sobre a realização da Festa do Capelinhense Ausente, com o objetivo de ouvir e atender plenamente os anseios de nossa sociedade sobre esse evento genuinamente popular.

ENVIE SUA OPINIÃO OU SUGESTÃO SOBRE O PROJETO PARA O E-MAIL: gabinete.pmcapelinha@hotmail.com
Veja abaixo na íntegra o projeto 


PROJETO DE LEI Nº______________/2014.

Dispõe sobre Regulamentação do Evento denominado FESTA DO CAPELINHENSE AUSENTE e da outras providencias.

O Povo do Município de Capelinha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes legais na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, em seu nome, sanciono a seguinte lei:

Art. 1º - A tradicional FESTA DO CAPELINHENSE AUSENTE, que acontece em Capelinha desde o ano de 1.986 e tem como objetivo proporcionar o reencontro e confraternização dos filhos e amigos de Capelinha, deverá acontecer na terceira semana do mês de julho de cada ano, iniciando-se na quinta-feira e finalizando no domingo.

Parágrafo único - Excepcionalmente e por motivo de força maior, mediante reconhecimento e autorização do Chefe do Poder Executivo Municipal, a festa poderá ocorrer em outra data.

Art. 2º - A festa constará no Calendário Oficial de Eventos do Município como um evento de caráter cultural, social e recreativo, devendo anualmente serem consignados nos instrumentos orçamentários da Prefeitura, recursos financeiros para o custeio de suas despesas e/ou da contrapartida, em caso de ser a mesma realizada através de terceiros.

Art. 3º - O evento de que trata o art. 1º desta lei poderá ser realizado diretamente pela Administração Pública Municipal, através das Secretarias Municipais de Administração, Finanças e Planejamento, de Cultura e Turismo e de Esporte e Lazer, ou indiretamente por terceiros, através de concessão mediante escolha em processo licitatório.

Art. 4º - Se a Administração Municipal optar por realizar diretamente o evento, serão adotadas as seguintes medidas e providencias:

I – Constituição de uma Comissão de Organização, sob a presidência da Secretaria Municipal de Cultura, composta dos seguintes representantes:

a) – Um representante de cada Secretaria Municipal;
b) – Dois representantes do Poder Legislativo Municipal, sendo um da bancada de oposição e outro de situação;
c) – Um representante da Casa da Cultura de Capelinha;
d) – Um representante dos artistas popularmente conhecidos como “Pratas da Casa”, desde que legalmente organizados entre si;
e) – Um representante da Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Capelinha;
f) Um representante do Procon Municipal;
g) – Um representante da Loja Maçônica de Capelinha;
h) – Um representante do Rotary Club de Capelinha;
i) Um representante da Polícia Civil;
j) Um representante da Polícia Militar.

Parágrafo Único - Compete à Comissão de que trata este inciso colaborar na elaboração e definição da programação, organização, fiscalização e realização do evento, podendo antes e durante o evento sugerir, opinar, decidir por maioria de votos e intervir em qualquer setor do evento, objetivando melhorar a festa e o seu respectivo resultado para a municipalidade.

II – Instauração e realização dos seguintes procedimentos licitatórios através das modalidades previstas pela Lei 8.666/93:

a)   – contratação dos Shows de renomes nacionais e regionais;
b)   – contratação de sonorização e iluminação de grande porte, capaz de atender o evento;
c)   – contratação de palcos, estruturas de proteção, gradis de separação, camarins e estrutura de coberturas dos restaurantes, telões, etc.;
d)   – contratação de geradores de energia elétrica para suporte do evento em caso de falta de luz;
e)   – contratação de tendas e barracas em quantidade suficiente para atender o evento;
f)    – contratação de equipes de apoio, recepcionistas, vigilância e segurança desarmada para o evento;
g)   – contratação de hospedagens, alimentação e lanches para os artistas e equipes de apoio, policiais designados para reforço e segurança particular;
h)   – contratação de material publicitário, ingressos e mídias para o evento;
i)     – contratação de transportes aéreos e terrestres para os artistas e suas equipes de apoio;
j)     – contratação de shows pirotécnicos;
k)   – demais necessidades para realização do evento, devidamente justificadas.

Art. 5º - Se a Administração Municipal decidir por realizar o evento através de empresas especializadas no ramo de eventos artísticos, deverão ser adotados os seguintes procedimentos:

a) constituir a Comissão de Organização de que trata o artigo 4º desta Lei, juntamente com a qual deverá ser definida a programação;

b) – definir, de acordo com a capacidade das finanças do Município, o valor da contrapartida a ser oferecida à empresa que for escolhida para realizar o evento;

c) – instaurar o processo licitatório para concessão do espaço público denominado Parque de Exposição Paulo Afonso de Oliveira Martins e contratação de empresa especializada para prestação de serviços de organização, produção executiva e artística para a realização do evento, devendo no processo constar como de responsabilidade da empresa ganhadora o fornecimento de toda a infraestrutura necessária à sua realização, especialmente:

IServiço de som e iluminação com capacidade para atendimento a um público de 15.000 pessoas, cujas especificações deverão constar do edital;

II02 Geradores de no mínimo de 260 KWA, silenciado com chave revisora e painel de distribuição, com diesel e despesas já incluídos;

III02 Palcos, sendo um de 14 m X 12 m e outro de 10m x 8m, cujas descrições e demais especificações deverão constar do edital;

IV01 Camarote no tamanho mínimo de 16x06m, com teto em Q30 e lona antichamas, com piso elevado a 2,5 m de altura, conforme normas da NBR e aprovação do corpo de Bombeiros;

V01 Cobertura mínima de 600 m² em estrutura de alumínio Q30, com lona antichamas, com elevação no teto de 4m de pé direito, na base dos pés para cobrir área dos bares e restaurantes;

VItendas no tamanho 06x06m para stands, conforme normas da NBR;

VII – barracas bar no tamanho de 03x03m conforme normas da NBR, sendo que a quantidade necessária será definida no edital;

VIII100 m de fechamento, no mínimo de latão, no tamanho de 2 x 2,20m cada placa;

IXSistema de controle de público eletrônico e bilhetagem eletrônica;

X200 m de gradil, no mínimo, para organizador de público;

XI150 m de barricada, no mínimo, para separador de público;

XII – Confecção e execução do projeto do corpo de Bombeiros, com extintores e faixas indicativas e tudo mais exigido por lei;

XIII02 telões, no mínimo com estrutura para fixação, e 04 câmeras para transmissão simultânea do evento;

XIV04 vigias, no mínimo, para proteger a estrutura durante o período de montagem da estrutura e que antecede ao início da festa;

XVEquipe contendo em média 12 carregadores por dia para carga e descarga de instrumentos e cenários dos artistas durante os dias do evento;

XVIHospedagem, alimentação (refeição e lanches) com bebidas, sendo suco ou refrigerante para alimentação de prestadores de serviço como: equipe de som, iluminação, carregadores, montadores, seguranças etc.;

XVIIHospedagem, alimentação e Lanche para 40 policiais por dia;

XVIIIPagamento do ISS sobre toda bilhetagem de ingressos e passaportes vendidos antes e durante o evento, taxas, licenças, alvarás e certificados correspondentes à realização do evento;

XIX – Comprovar, antecipadamente ao evento, o pagamento ou termo de acordo com ECAD, de forma a eximir a Prefeitura de qualquer responsabilidade por eventuais inadimplências;

XX - Contratação e pagamento de Ligação Provisória juntamente à CEMIG, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias do início dos trabalhos de preparação do Parque de Exposições para o evento, bem como pagamento do consumo final de energia elétrica;

XXI – elaboração do Projeto de Corpo de Bombeiros e pagamento de suas taxas e de outros impostos e taxas devidos pela realização do evento;

XXIIISegurança particular desarmada: os serviços de segurança deverão ser executados por empresa especializada de segurança, devidamente registrada na Policia Federal, para ajudar na organização e sinalização das dependências da festa, disponibilizando no mínimo 50 profissionais;

XXIVEquipe contendo no mínimo 10 produtores para o bom andamento do evento, executando tarefas de produção de palco, traslado de artistas, passagem de som e gerenciamento de eventuais acontecimentos, munidos com rádio e celular para facilitar comunicação;

XXVEquipe de apoio composta de bilheteiras, recepcionistas para a entrada do evento, recolhedores de ingressos, pessoas para manutenção e limpeza de todo o espaço nos dias do evento;

XXVIPosto de Atendimento Médico que deverá estar convenientemente instalado, no mínimo, em tenda 4X4 m, devendo a empresa vencedora arcar com o pagamento dos profissionais da saúde que trabalharão durante o evento;

XXVII – Posto Policial, em tenda de no mínimo 4x4 m, com toda infraestrutura necessária (computador, impressora, tinta para impressão, papel, telefone e internet) à atuação dos profissionais;

XXVIII – Toda a MÍDIA DO EVENTO será de responsabilidade da empresa vencedora, devendo dispor no mínimo de 2.000 cartazes tamanho 0,62 x 0,44 m em policromia; 20.000 panfletos, tamanho A4, em policromia; 08 placas de outdoor que deverão estar colocados em cidades e locais estratégicos, no mínimo trinta dias antes do início da festa; 250 inserções em emissora de rádio existente na cidade; 600 inserções distribuídas em 04 emissoras de rádio em cidades vizinhas; 100 horas de carro de som; responsabilidade pela colagem dos cartazes e distribuição dos panfletos;

XXIX – contratação de Vans em número suficiente para o traslado dos artistas, equipes de produção, fazendo rota aeroporto/hotel/Parque de Exposições/hotel, ficando à disposição dos mesmos durante o período da festa;

XXXMontagem com mobílias para camarins e disponibilização de comidas e bebidas de acordo com relação e exigências dos artistas.

XXXI – Contratação de Hospedagem, alimentação e transporte terrestre e aéreo para os artistas e equipe, em hotel de primeira categoria;

XXXIIShow Pirotécnico: os fogos de artifício deverão ser compatíveis com a natureza da festa, sendo o mesmo realizado no dia oficial da abertura do evento denominado Capelinhense Ausente contendo no mínimo: 60 peças de Rojões Treme-Terra; 18 peças de Morteiros Tiro Seco; 240 peças de Rojões de Varas; “Explosão de cores”; 27 peças de Morteiros de 4”, cores Variadas; 12 peças de Morteiros de 5”, cores Variadas; 09 peças de Morteiros de 6”, cores variadas; 16 peças de Morteiros de 5”/Cascatas de  5”; 04 peças de Morteiros de 7”, Folha  Seca Prateada; 02 peças de Morteiros de 8”, Folha Seca; 01 rajada de 7.0 20 tiros; toda responsabilidade no manuseio do show pirotécnico é da empresa contratada;

XXXIII – Colocação de Banheiros químicos em quantidade suficiente para atender as estruturas ofertadas, com as especificações sanitárias e de segurança necessárias à comodidade dos camarins, com assepsia, bom estado de conservação e vedação, sendo que a manutenção dessas estruturas deverá ocorrer pelo menos 01 (uma) vez a cada dia de evento;

XXXIV – Contratação de equipe de limpeza dos banheiros durante a noite e pela manhã, e para limpeza de todo o Parque durante e após o evento;

§ 1º - Os itens descritos neste artigo poderão sofrer alterações por ocasião da elaboração do edital, mediante justificativa devidamente fundamentada, aprovada pela Administração Pública Municipal, tendo por objetivo uma melhor adequação e melhoria do evento.

§ 2º – Como forma de garantir uma melhor organização e escolha de bons shows, o processo licitatório deverá ocorrer entre os meses de dezembro do ano anterior e janeiro do ano de realização do evento.

Art. 6º - Deverão ainda constar no Edital de Licitação as seguintes exigências, as quais a empresa ganhadora do processo licitatório para realização do evento se obriga a cumprir:

I – conceder, nos termos das Leis Federais Nº 12.933/2013, de 26/12/2013, e 10.741/2013, de 01/10/2013, os descontos promocionais na venda de ingressos para os estudantes, idosos e pessoas com deficiência;
II – conceder, nos termos da Lei Municipal 1.823/2013, o desconto de 20% (vinte por cento) na venda de ingressos para os servidores municipais que percebem até 02 (dois) salários mínimos;
III – fornecer pacotes ou ingressos conforme o caso e/ou credencias para a comissão de organização, equipes de trabalho e para pessoas, órgãos e instituições que estejam diretamente envolvidas com a realização e organização do evento;
IV – manter uma equipe na cidade para informações e solução de quaisquer problemas a partir do início de venda dos ingressos;
V – permitir somente a instalação e funcionamento, no local do evento, dos instrumentos, equipamentos e bens definidos no Edital ou que forem posteriormente autorizados pela Administração Municipal ou pela Comissão Organizadora;
VI – a empresa ganhadora executará os serviços no regime de execução indireta, de acordo com o edital e a programação, não lhe sendo permitida a cessão ou transferência de responsabilidades para outros, hipótese em que será passível de penalidades, inclusive multas e rescisão do contrato;
VII – será responsabilidade da empresa qualquer tipo de indenização por acidentes, prejuízos ou danos causados ao patrimônio público da contratante e ou a terceiros, decorrentes da execução do objeto licitado, inclusive por atos praticados pelos seguranças e vigilantes por ela contratados;
VIII – prestar esclarecimentos e informações solicitadas, permitir e facilitar o acesso para a fiscalização e inspeção da contratante aos serviços a serem entregues e praticados durante o evento;
IX – responsabilizar-se pela qualidade dos serviços entregues e providenciar imediatamente a substituição daqueles que apresentarem vícios, imperfeição ou que não se configurarem adequados aos padrões estabelecidos no Edital e no Contrato firmado com a contratante;
X – o município se reserva o direito de não receber qualquer serviço que esteja em desacordo com o previsto no edital e no contrato de concessão e de prestação de serviços e de organização do evento, podendo inclusive rescindir o contrato, nos termos do art. 76, Inciso I, da Lei Federal 8.666/93 e aplicar o disposto no art. 24, Inciso XI, da referida Lei.

§ 1º - Os pontos e datas de vendas dos passaportes e ingressos individuais deverão ser informados à Comissão e amplamente divulgados para conhecimentos da população.

§ 2º – Deverá ser criado um ou mais pontos para a venda de ingressos promocionais desde o início da venda dos mesmos.

§ 3º - Será facultativa a disponibilização e venda de ingressos para o evento via internet.

Art. 7º - Além do valor que será oferecido pelo Município a título de contrapartida pela montagem de toda a estrutura e pela realização do (s) show (s) com entrada franca, a empresa terá como fonte arrecadadora a venda de ingressos e passaportes, aluguel de bares e restaurantes, vendas de espaços para montagens de stands e barracas diversas, patrocínios e permissão para publicidades comerciais antes e durante o evento.

§ 1º - A empresa que for a ganhadora do processo para realizar o evento deverá assegurar prioridade para locação dos restaurantes e bares existentes no Parque de Exposição e permissão para montagens de barracas de produtos diversos às pessoas físicas residentes e pessoas jurídicas instaladas no Município há pelo menos 12 (doze) meses, somente sendo permitido locar ou vender espaços para pessoas de outras cidades, caso não haja interessados em Capelinha.

§ 2º - Fica proibida a sublocação dos restaurantes, bares, barracas de produtos diversos, stands ou quaisquer outros espaços existentes no Parque de Exposições.

§ 3º - Os valores a serem cobrados pelo aluguel dos bares, restaurantes, stands e barracas deverão ser baseados nos preços praticados no evento anterior, sendo admitida a correção mediante aprovação da Comissão organizadora.

Art. 8º - Da programação artística da festa deverão constar shows de renome nacional, regional e também dos artistas popularmente chamados de “pratas da casa” escolhidos dentre as sugestões apresentadas pela comissão, na seguinte ordem.

I – Quinta-feira – um ou dois shows “Prata da Casa” e um nacional;
II – Sexta-feira – um ou dois shows “Prata da Casa” e um nacional;
III – Sábado – um show regional, um “Prata da Casa” e um nacional.

§ 1º - A contrapartida prevista na letra b do art. 5º e no caput do art. 7º desta lei tem por objetivo possibilitar à empresa contratada, além da montagem de toda a estrutura a colocação de um show de renome nacional na programação de domingo, cuja entrada é franqueada para toda a população.

§ 2º - Também será obrigatória e por conta da empresa realizadora a apresentação de um show infantil a ser aprovado pela Comissão Organizadora, para a programação de domingo, durante o dia.

Art. 9º - Para a programação de que trata o artigo anterior deverá constar no mínimo 01 (um) show “pratas da casa” por dia e um de renome nacional, sendo que no domingo a entrada será franca para toda a população.

Parágrafo Único - Também será obrigatória e por conta da empresa realizadora a apresentação de um show infantil, com aprovação da Comissão Organizadora, para a programação de domingo, durante o dia, cuja entrada será gratuita para toda a população.

Art. 10 – Os valores do ingresso individual e do passaporte para acesso ao Parque de Exposições deverão ser baseados no custo final do evento e, para evitar grande sacrifício financeiro para a população, serão definidos em conjunto pelos representantes da empresa contratada para realização do evento e membros da Comissão organizadora.

Art.. 11 – Ao Município será reservado espaço para que possa contratar a instalação de Parque de Diversões, não sendo permitida por parte da empresa realizadora do evento a cobrança de qualquer valor pela reserva desse espaço.

§ 1º - A escolha da empresa que instalará o Parque de Diversões de que trata o caput deste artigo dar-se-á através de processo licitatório exclusivo, cujo Edital definirá todos os requisitos legais, sendo vencedora aquela que ofertar o maior valor.

§ 2º - Os recursos provenientes da cessão do espaço reservado ao Parque de Diversões destinar-se-á ao Fundo Municipal de Assistência Social com o objetivo de financiar a compra de cestas básicas, brinquedos e outras despesas com a realização do Natal das Famílias Carentes do município.

§ 3º - O valor máximo a ser cobrado pela utilização dos brinquedos do Parque de Diversões deverá ser aprovado pela Comissão Organizadora e constará do Edital de Licitação.

Art. 12 - Durante o evento, funcionará paralelamente e sob a responsabilidade do Município, através das Secretarias Municipais de Assistência Social, de Cultura, de Esporte e Lazer, o GALPÃO CULTURAL, que terá organização e programação própria e independente do evento de que trata esta lei, com início no sábado anterior à abertura da festa e encerramento junto com a mesma.

§ 1º - A Administração Pública Municipal poderá terceirizar a organização do Galpão Cultural, sob orientação da Secretaria Municipal de Cultura, mediante processo licitatório específico.

§ 2º - A exploração do Bar do Galpão Cultural durante realização do evento poderá, a critério da Administração Municipal, ser cedida a terceiros, mediante concorrência pública, cujos recursos provenientes da cessão serão destinados igualitariamente aos Fundos Municipais de Cultura e de Esporte.

Art. 13 – Fica concedido à Secretaria Municipal de Assistência e Promoção Social, em parceria ou não com outras entidades e/ou instituições, o direito de realizar Bingo Beneficente no ultimo dia da festa.

Art. 14 – A venda de bebidas dentro do Parque de Exposições deverá ser realizada apenas pelos bares, restaurantes e barracas, não se admitindo a presença de vendedores ambulantes.

Art. 15 – A exclusividade ou não de bebidas deverá ser previamente discutida e decidida em comum acordo entre a empresa contratada, a Comissão Organizadora e a Administração Pública Municipal.

Art. 16 – Não será permitida a montagem de barracas e similares nas imediações do Parque de Exposições.

Art. 17 – Será de responsabilidade da Administração Pública Municipal, através de suas Secretarias de Cultura e de Esportes, a organização e realização do chamado Aquecimento do Capelinhense Ausente na Praça do Povo, cujo horário de funcionamento ficará limitado até as 20:00 horas.

Art. 18 - O Município prestará contas de realização da Festa do Capelinhense Ausente, nos termos da legislação vigente e aplicável.

Art. 19 – Os casos omissos serão decididos entre a Administração Pública Municipal, Comissão Organizadora e empresas vencedoras dos certames previstos nesta lei.

Art. 20 - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Capelinha (MG), 03 de novembro de 2014.


JOSÉ ANTÔNIO ALVES DE SOUSA
Prefeito Municipal



ENVIE SUA OPINIÃO OU SUGESTÃO SOBRE O PROJETO PARA O E-MAIL: gabinete.pmcapelinha@hotmail.com

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...