segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Samarco terá de reservar R$ 1 bilhão para reparação emergencial de danos



O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Ministério Público Federal (MPF) firmaram nesta segunda-feira Termo de Compromisso Preliminar com a Samarco Mineração S.A. estabelecendo caução socioambiental de R$ 1 bilhão para garantir custeio de medidas preventivas emergenciais, mitigatórias, reparadoras ou compensatórias mínimas decorrentes do rompimento das barragens de rejeitos em Mariana, região Central de Minas.

“É o maior acordo já firmado no país em termos de valores, considerando que o montante refere-se apenas ao adiantamento exigido pelo MP, porque a totalidade do dano ambiental é imensurável. Digamos que se trata apenas de uma primeira parcela”, afirmou o promotor de Justiça Carlos Eduardo Ferreira Pinto.

O termo estabelece que os gastos deverão ser auditados por empresa independente escolhida pelo MPMG e pelo MPF. A Samarco deverá ainda apresentar laudos mensais demonstrando que os valores estão sendo gastos exclusivamente em medidas de prevenção, contenção, mitigação, reparação e compensação dos danos ambientais ou socioambientais decorrentes do rompimento da barragem.

O documento prevê depósito inicial de R$ 500 milhões em conta corrente, a ser feito pelo grupo minerador no prazo máximo de 10 dias, fiscalizado por auditoria independente e também pela promotoria, com valores empregados exclusivamente para a recuperação da bacia do Vale do Rio Doce. Em 30 dias, o resto do montante será depositado a título de caução pela empresa do que virá a ser gasto depois. “Nosso cuidado foi garantir que a sociedade tenha a certeza de que haverá recuperação. Só existe recuperação com recursos, pois recuperar custa caro e porisso, essa medida tão dura”, disse o promotor.

No dia 5 de novembro, ocorreu o rompimento da barragem de rejeitos do Fundão, com a erosão da barragem de Santarém, ocasionando danos ambientais, sociais e humanos, cujas causas ainda estão sendo apuradas. No entanto, segundo Ferreira Pinto, os danos ambientais devem ser integralmente reparados. “Ainda não é possível mensurar os danos efetivos e as medidas necessárias à mitigação, contenção, reparação e compensação, mas, pela extensão e gravidade, sabemos que os valores necessários poderão ser muito maiores. Porém, o termo estabelece uma garantia jurídica concreta, que não existia até então, de que os valores iniciais emergenciais estão resguardados”, afirma.

Veja vídeo da trinca descoberta na barragem de Germano.
UAI

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...