segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Estudante de Carbonita é flagrada pela PF testando sistema de quadrilha que fraudava o Enem


A estudante Sofia Azevedo Macedo, filha de um comerciante de Carbonita (Vale do Jequitinhonha), é suspeita de contratar uma quadrilha especializada em fraudes no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2016 e em outros concursos realizados no País. Um integrante da quadrilha, identificado como Jonathan Galdino dos Santos, foi registrado pela Polícia Federal (PF) testando o sistema com a candidata carbonitense. Ela estaria fazendo a prova em Capelinha (MG).
O delegado Marcelo Freitas explicou que, de um hotel em Montes Claros (MG), a quadrilha enviava o gabarito para os candidatos, que usavam um microponto colocado no ouvido e uma central telefônica acoplada no peito ou braço. Ambos podem ser apontados com o uso de detector de metais, mas a PF acredita que o equipamento não esteja sendo usado de maneira eficiente.
“Pela primeira vez constatamos o retorno de áudio por parte do candidato. A maneira que ele usava para demonstrar ao interlocutor que compreendia ou não o gabarito era por intermédio de tosse. Se tossia uma vez ele havia compreendido, se tossia duas vezes, o interlocutor repetia o gabarito”, disse Freitas.

Escutas autorizadas pela Justiça mostram que antes do exame era feito um teste para verificar se o candidato conseguia escutar a voz de quem iria repassar as respostas para ele. Durante o cumprimento dos mandados foram apreendidos vários equipamentos usados na fraude. Confira no diálogo abaixo:
- Jonathan: Sofia, tá me escutando? Dá duas tosses aí, por favor.
- Sofia: [tosse duas vezes, indicando que estava escutando o bandido] - Jonathan: Correto. Eu vou falar cinco palavras: casa, carro, tatu, prédio e cachorro. Entendeu? Dá uma tossida.
- Sofia: [tosse uma vez, indicando que entendeu a mensagem repassada por Jonathan] - Jonathan: Pronto. Ok.

Candidatos pagavam de R$ 150 a 180 mil, diz PF

O ex-estudante de medicina Rodrigo Ferreira Viana é apontado pela Polícia Federal (PF) como líder da quadrilha. Ele e outras dez pessoas foram presas durante a Operação Embuste, deflagrada na tarde de ontem (06/11/2016) em Montes Claros e em outros municípios do País.
A quadrilha utilizava equipamento sofisticado e, de acordo com o delegado da PF Marcelo Freitas, cobrava entre R$ 150 e R$ 180 mil reais, a depender da universidade que o candidato pretendia ingressar.
As investigações iniciaram há 15 dias, quando uma candidata inscrita no Enem desabafou com um padre e foi aconselhada a denunciar a organização criminosa. Após a denúncia, os integrantes da quadrilha foram monitorados de perto por agentes federais. O líder da quadrilha, que cursou medicina em Ipatinga (MG), foi registrado em vídeo recebendo dinheiro de um comparsa.

De acordo com a PF, Rodrigo Ferreira contratava alunos e professores para fazerem as provas rapidamente e repassar as respostas, que posteriormente os gabaritos eram divulgados aos estudantes contratantes da fraude através de ponto eletrônico. Um dos pilotos era o estudante de medicina Arnon Kelson da Silva e Santos, que foi preso em 2012, quando confessou ter fraudado concursos naquele ano e em 2006.
Aconteceu no Vale

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...